A caminho da Casa Rosa, hoje, passei em frente à fachada do antigo cine Orpheu (chamado Astor nos últimos anos), e lembrei de um dia, de 1984, em que meus pais, minhas 3 irmãs e eu viemos para Porto Alegre (morávamos em São Leopoldo), para aquela sala de cinema. Na foto ao lado, o jeito que estava hoje pela manhã – dia cinzento, chuvoso…

Naquela ocasião, viemos assistir ao filme Amadeus.

{Ir ao cinema assim, todos juntos, não era um programa comum. A preferência foi, sempre, assistir juntos em casa, pois ao lado disso, cada um / uma ficava fazendo outras coisas – especialmente trabalhos manuais.}

Voltando ao filme: não é à toa que este foi o filme escolhido para assistir em família. A música também faz parte de nossa história. Na família do meu pai e na minha casa, desde muito cedo, fomos motivadas pra isso. O tipo de música? Clássica, erudita. A gente tocava e cantava em família – aprendi a tocar flauta com 4 anos e uns anos depois já acompanhava o coral que meu pai regia. Mais tarde tivemos aulas de piano e depois violão. Hoje está tudo parado, mas pretendo voltar a achar um espaço pra isso! 🙂

Naqueles segundos de sinaleira fechada, essas lembranças vieram à memória.

Lembranças gostosas… tão gostosas como aquelas que fizeram nascer o blog CRiações em família – e as histórias que, em companhia da família e de amigas, continuamos a escrever!

Fico feliz de ter registros desses momentos em fotos. Uma das minhas preferidas é a foto em que estou bordando essa toalhinha, aos 6 anos. O bordado ainda estava na casa de minha mãe – que a trouxe lavada e engomada pra mim no início desse ano ♥ ♥ ♥ ♥ A outra toalhinha que aparece, foi feita pela minha irmã Débora, com um crochê feito pela nossa Vozinha. ♥ ♥ ♥ ♥

E foi juntando fotos (estampadas pela Liliana, da Tinta no Pano), lembranças da minha infância e da Kerstin, bem como peças artesanais feitas pelas amigas e parceiras dessa história, que começamos a montar o espaço CRiações-LudYx na Casa Rosa.

E é nessa composição, com o que cada uma de nós traz de sua trajetória, que a gente vai tentando costurar novas histórias!

A soma das histórias e ideias faz nascer novos projetos, novos brinquedos, novos sentidos!

Fácil? não! Aliás, segurar o conjunto do projeto, é um desafio que nos ocupa um bocado… mas a gente tá fazendo, vai andando e vai construindo!

A gente acredita que fazer à mão, criar, costurar e tecer faz bem.

E fazer isso juntas, num coletivo e num lugar gostoso, ainda melhor!

 Fotos: Mel Tesche 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *